Nosso Blog
sexta-feira, 6 de julho de 2007
  EAD
O que é Ensino a Distância? Ensino a Distância, também chamado de Educação a Distância, é uma nova modalidade de socialização de conhecimento utilizando-se para isto ferramentas de trabalho encontradas na internet.

Quem não conhece os chats tipo MSN ou Skype, que oportunizam ao usuário "teclar" interagindo com uma ou mais pessoas em tempo real e de qualquer parte do mundo. Hoje em dia podemos encontrar em alguns sites como yahoo e Skype ainda a ferramenta áudio-conferência, reunindo várias pessoas para discussão de um tema em comum, bastando para isto ter um microfone e fones de ouvidos.

Ainda, quem não está familiarizado com as comunidades de sites como orkut, em que pessoas colocam postagens sobre temas de seu interesse e outras pessoas que elas nem conhecem pessoalmente as respondem através de uma interação geradora de conhecimneto e mudanças de pontos-de-vista.

Agora imagine que o progresso na internet fez com que se criassem sites reunindo todas estas ferramentas em um só ambiente, direcionado para o ensino e aprendizagem. Foi então que surgiram Plataformas ou Sites de Ensino a Distância (EAD), tais como o Moodle e o Ensinar (UFPE).
Estas plataformas de EAD possuem também espaços para inserção de aulas em word, power-point, envio e recebimento de e-mails internos apenas acessíveis aos membros do grupo de estudos e professor.
Os cursos EAD podem ser dados de forma totalmente online ou semi-presencial.

O tipo de vínculo que se estabelece com o aluno em um curso EAD tem suas peculiaridades pois o contato mais comum é feito através da linguagem escrita por meio das postagens nos fóruns e as expressões faciais não são comumente acessíveis, salvo o professor marque vídeo-aulas, ou, para ter acesso à voz, áudio-aulas.

Apesar destas diferenças, o vínculo estabelecido entre aluno e professor em cursos online é muito forte, baseado em estímulo e motivação do grupo todo trabalhando por um objetivo único, a aquisição de conhecimento e experiência em determinada área.

por Rosemar Prota
rprota@usp.br
 
  G1 > Brasil - NOTÍCIAS - Índios protestam contra obras no São Francisco
G1 > Brasil - NOTÍCIAS - Índios protestam contra obras no São Francisco
 
quinta-feira, 5 de julho de 2007
  Inclusão
Palestrante: Profa. Mestre Rosemar Prota (Psicologia – USP)

e-mail: rprota151@hotmail.com

Seminário: Inclusão Social, Inclusão Escolar

Nossa vida possui muitas dimensões e precisamos cuidar de cada uma delas para mantermos uma boa qualidade de vida. Assim, a dimensão social de nossas vida, que inclui lazer e laços de amizade, precisa ser cuidada; a dimensão familiar também, uma vez que reconhecidamente a família foi e continua sendo o suporte do indivíduo. Apoio familiar é importante para que as pessoas sintam-se seguras. Para tanto, a família precisa ser apoiada pelo Estado, a fim de que tenha condições de ser um porto seguro para cada um de seus membros. Por fim chegamos ao cerne de nossa tese: a vida no trabalho precisa ser gratificante e prazeirosa. Para tanto, o profissional em seu ambiente de trabalho precisa encontrar mecanismos de motivação, criatividade, e crescimento; precisa fazer um exercício de reflexão para encontrar dentro de si o que mais lhe agrada e atrai no trabalho que exerce, o que lhe dá prazer no trabalho que realiza. Cada uma das instâncias de nossa vida está interligada, a qualidade em uma delas ajuda a levar à qualidade nas outras e o contrário também é verdadeiro: a falta de qualidade em uma das instâncias da vida pode levar a desmotivação e insucesso nas demais também.

Quando pensamos em inclusão, também pensamos em seu antônimo: exclusão. Para incluir precisamos admitir que alguém está excluído. Mas quais foram os processos sociais que levaram à exclusão de indivíduos? Que tipo de seleção tem sido feita para excluir ou incluir pessoas? Em todas as faixas etárias vemos diferenças pessoais entre os indivíduos. Uns têm mais facilidade em algumas coisas, outros em outras. Uns estão mais de acordo com o conceito de beleza vigente na época, outros menos. Uns têm mais saúde, outros menos. Mas estas diferenças interpessoais constitiuem a humanidade, é graças a estas diferenças que temos identidade, que somos únicos no mundo. Quando começamos a nos comparar com os outros começamos a valorar as nossas diferenças e semelhanças. Então começam a aparecer os conceitos de mais e de menos, de melhor e de pior, e se não tomamos cuidado, perdemos nossa auto-estima porque passamos a vida toda ouvindo que éramos menos inteligentes ou menos bonitas ou bonitos. Então podemos acabar nos afastando das pessoas, num processo de auto-exclusão. Como reverter este processo?

Hoje em dia temos ouvido falar muito em Inteligência Emocional. Pois é, a inteligência emocional é que nos possibilita a viver em sociedade sem que sejamos anti-sociais, isolados, acuados, mas pelo contrário, a inteligência emocional nos capacita a nos relacionarmos bem com as outras pessoas, sem que fiquemos nos comparando e nos sentindo superiores ou inferiores aos outros. A diferença é saudável e faz parte da vida. Ninguém é perfeito, mas também ninguém é totalmente imperfeito. No ambiente escolar, as crianças podem ser orientadas para esta visão e postura ante a vida, a fim de se tornarem adultos tolerantes e flexíveis, tanto com os outros como consigo mesmas.

Na cultura da diversidade as pessoas valorizam suas diferenças e unem-se para trabalhar em grupo, unindo as potencialidades de cada uma. Em um grupo, há quem seja mais extrovertido e quem seja mais introvertido, mas ambas as características podem ser aproveitadas pois ambas têm suas vantagens, dependendo da situação. É na convivência com o diferente que perdemos o medo e deixamos de nos sentir ameaçados pelo outro, é na convivência com o outro que passamos a assimiliar as suas características que mais nos chamam a atenção. Isto tudo ocorre de modo natural, fruto da convivência e da troca de experiências.

Em uma sociedade mais cooperativa podemos observar a diminuição dos abismos sociais e das desigualdades econômicas. Os abismos sociais incentivam a competição e a valoração dos indivíduos, uns valendo mais e outros menos. Assim, vemos pesquisas que indicam que os salários das mulheres são menores do que os dos homens em cargos semelhantes.

Quando lidamos com as crianças, temos a oportunidade ímpar de educá-las para a diversidade e tolerância. Em uma dada sala de aula pode haver uma criança superdotada, madura e autodidata. Como lidar com esta criança? O ideal é trabalharmos com ela no sentido de ajudá-la a desenvolver suas potencialidades em seu grau máximo sem que ela se sinta diferente das outras crianças, nem inferior, nem superior. Se for uma criança muito boa nas matérias extas, biológicas e humanas, incentivá-la também a trabalhar o corpo nas aulas de educação física. E ao contrário, se for uma criança fortemente habilitada para atividades esportivas, uma possível futura medalhista, por exemplo, incentivá-la a trabalhar também as disciplinas oferecidas dentro da sala de aula, sem contudo, deixar de auxiliá-la a desenvolver ao máximo suas potencialidades.

E quando acontece o contrário, como podemos lidar com crianças portadoras de deficiência mental na sala de aula no ensino regular? Para isto os professores e de preferência os demais profissionais da escola precisa e têm o direito de receber capacitação continuada para poder acompanhar o desenvolvimento cognitivo e afetivo do aluno incluído.

A capacitação continuada é o caminho para uma educação verdadeiramente inclusiva, é um direito do professor e do aluno, é papel social do Estado.

Sugestões de Leitura

• Educação Inclusiva - O que o professor tem a ver com isso? - Da jornalista e escritora Lia Crespo e ilustrações do cartunista Ricardo Ferraz. Apresenta experiências, conhecimentos e informações sobre como as escolas podem integrar crianças com algum tipo de deficiência. O texto foi complementado por informações do site da Rede SACI (www.saci.org.br).

• Dorina Viu - De Cláudia Cotes e ilustrações de Dimaz Restivo. Inspirado na vida de Dorina Norwill, narra o cotidiano de uma criança que não enxerga e aborda seu sentimento e vivência do mundo que a cerca. Cláudia é presidente da ONG Vez da Voz, que desenvolve materiais didáticos e lúdicos para a interação entre crianças deficientes e não-deficientes. O livro conta com impressão em português e braile. Dessa forma, a criança cega poderá ler sozinha e a que enxerga poderá conhecer o funcionamento do sistema braile. A publicação, editada pela Paulinas, integra a série Fazendo a Diferença, que aborda a deficiência de forma positiva e lúdica.

• Que será que a bruxa está lavando? e A bruxa mais velha do mundo - Da professora Elizete Lisbôa, graduada em Letras pela UFMG, e ilustrações de Maria José Boaventura e José Carlos Aragão. Com impressão que une o braile à tipografia comum, os livros podem ser lidos por crianças com ou sem deficiência visual. O objetivo dos lançamentos, segundo a Editora Paulinas, é ajudar na inclusão social das crianças com visão deficiente ou subnormal.
 
segunda-feira, 2 de julho de 2007
  A TARDE On Line
A TARDE On Line
 
domingo, 1 de julho de 2007
  .:: Mídiacon - Sua mídia conectada ::.
.:: Mídiacon - Sua mídia conectada ::.
 
  A TARDE On Line
A TARDE On Line
 
Psicóloga Rosemar Prota, CRP 06/66915, formada e mestre em Psicologia Clínica pela USP. Consultório Metrô Trianon-MASP, SP. Site de EAD www.cursosonline.ensinar.org E-mail para contato: rprota@usp.br

Nome:
Local: São Paulo, São Paulo, Brazil
Arquivos
06 Maio 2007 / 13 Maio 2007 / 20 Maio 2007 / 03 Junho 2007 / 10 Junho 2007 / 17 Junho 2007 / 24 Junho 2007 / 01 Julho 2007 / 08 Julho 2007 / 15 Julho 2007 / 29 Julho 2007 / 09 Setembro 2007 /


Powered by Blogger

Assinar
Postagens [Atom]